segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Coastline - Vídeo-biclas-lusas


Dá para notar que a bicla está na moda... o Hilário, maior colaborador audiovisual aqui da casa, alertou-me para este novo vídeo - desta vez uma produção 100% nacional - onde aparecem o que suponho serem pasteleiras fabricadas nos tempos gloriosos da industria das duas rodas em Águeda.
Isso e meninas e meninos da moda. 
Bonito.

domingo, 30 de outubro de 2011

Massa Crítica de Outubro

Depois do vendaval épico do inicio desta semana, a última sexta feira do mês foi solarenga e plena de boa disposição... ou não fosse dia de Massa Crítica :)


35 ciclistas presentes, e (algo que me agradou e muito) muitas caras novas, partimos da Praça dos Leões para uma volta diferente, desta feita pela zona alta da cidade.

O Daniel fez um mapa do percurso:
M A P A

Foi bom variar o percurso, e apesar de termos subido bastante, nem os ciclistas mais inexperientes ficaram para trás.. muito bem! Também gostei da forma natural como se foram fazendo as "rolhas" e tudo aconteceu de forma fluída e sem qualquer stress :)
A ver se no próximo mês se levam mais panfletos, e também umas bandeiritas :)
Vídeo do Polo Universitário e da chegada à Praça do Marquês :)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Hoje é dia de festa!



Última sexta feira do mês, dia da Massa Crítica!

Logo não deixem as vossas biclas sozinhas (como neste insólito vídeo clip dos No Age, uma boa sugestão do Hilário Amorim), venham festejar e tragam amigos/as também!

A partida faz-se da Praça dos Leões por volta das 18:30/19:00.. apareçam!
http://www.massacriticapt.net/?q=porto

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Le Petit Journal

Charles Terront, nem mais. 
Este senhor, aqui muito bem retratado, foi o vencedor da primeira edição (1891) daquela que viria a ser uma prova mítica do ciclismo.. a Paris-Brest-Paris! 
Hoje, e já sem competição, ainda se realiza, feito que a torna a prova mais antiga de longa distância (1200km).
Quem me conhece sabe bem que não ligo muito a desporto e competição, mas estas provas têm o dom de me fazer revirar o cavalheiresco bigode que há em mim!
Pierre Giffard of Le Petit Journal created the Paris-Brest et retour cycle race in September 1891, describing it as an "épreuve", a test of the bicycle's reliability and the rider's endurance. Riders were fully self-sufficient, carrying their own food and clothing and riding the same bicycle for the duration. The response was so phenomenal that they had to charge 5 francs entrance as 300 riders signed up. Each bicycle was given an 'official seal' at a 2 day ceremony, the 280 sealed machines included 10 tricycles, 2 Tandem bicycles, and 1 Penny-farthing
Portanto, os ciclistas participavam em regime de autonomia total carregando a própria comida, roupa e não tinham hipótese de mudar de bicicleta durante o percurso (a deste senhor era leve.. pesava 'apenas' 21.5Kg 8-) ).
Estão a ver porque motivo eu gosto destas coisas mas não dou especial atenção aos "tours" competitivos de hoje?
Qual a piada de ver escândalos de dopping e equipas a esconder motores eléctricos não se sabe bem onde?
Como esta, há toda uma série de provas clássicas na Europa: cá em terras lusitanas tivemos a Porto-Lisboa, mas acabou em 2004 quando já se desenrolava em moldes diferentes dos originais... a ver se falo um pouco mais destas coisas um dia destes :)

Ciclistas Urbanos no Porto #82

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

sábado, 22 de outubro de 2011

Primeiro estilo, depois a segurança!


Com certeza não é a solução mais segura, mas lá bonito é :)

O último passeio de verão?

Sejamos honestos.. este calor e sol todo não são normais para esta época do ano, e este verão de S. Martinho não vai durar para sempre. 
Assim vaticinava ontem o WindGuru (embora este 'printscreen' seja de hoje), pelo que decidi aproveitar o vento quente do final de tarde para ir dar uma voltinha pela cidade.
Quando não utilizava a bicicleta no dia a dia para me transportar, sentia muito mais esta necessidade de passear: pegar na bicla e partir sem outro objectivo que não o puro prazer de pedalar e sentir o vento na cara. 
Sinto que com a actual utilização mais assídua, vou "matando" a fome de pedal sem dar conta e estes passeios só pelo gosto de passear, acontecem menos vezes.

Peguei na levezinha, e aí fui eu... avenida da boavista acima, e, em plena hora de ponta, a ideia era fugir o mais rapidamente do trafego e ir limpar a cabeça com sol, rio e mar.
Virei pela Rua de António Cardoso (gosto das árvores frondosas) direcção ao Campo Alegre para fazer travessia do rio à cota alta pela Ponte da Arrábida.
Hoje só temos um passeio minúsculo para passar, mas é bom relembrar que em tempos tivemos ciclovias:
Nem sempre o caminho da dita 'evolução' leva a uma melhoria..

Chegado à margem sul, tive de descer um pedaço de descampado, depois escadas e um túnel...



Passado um pequeno teste à qualidade dos travões (se chumbarem, o mais certo é cairem ao rio), chegamos à marginal: 

É bom viver numa cidade onde passados 10 minutos a pedalar conseguimos já estar longe da confusão, do transito e da poluição :)
Também sabe bem pedalar só pelo prazer de o fazer, e a ciclovia que vai até ao mar acabar por ser  bastante agradável.
Com a luz do dia a esgotar-se, e um jantar marcado para as 20:30, comecei o caminho de regresso fazendo um mega-atalho chamado Flor do Gás :)
O Flor do Gás é um barco que faz a travessia a peões e bicicletas entre a Afurada e o Cais de Lordelo.. o barco antigo em madeira envelhecida, combina com a sua tripulação que já faz esta travessia quase de olhos fechados.


Gostei muito de fazer esta travessia: rodeado de locais que contavam histórias disto e daquilo, e por um outro ciclista/passageiro, deu para descobrir uma nova visão da foz do douro e da ponte da Arrábida.

Já na margem norte, (e depois de passar pela 'nuvem' de pombos que nos recebe) lá fiz a restante marginal apanhando um belo por do sol..

..e ainda deu para analisar os 'novos' estacionamentos na Avenida Brasil (gostei)..

E pisar o novo troço de 'ciclovia' da Av. da Boavista..

Não sei se foi o último passeio de verão ou o primeiro de outono, mas com sol e calor, ou frio e chuva, sabe sempre bem passear de bicicleta :)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Bicicleta ao léu!

A resposta feminina aos (cada vez mais populares) momentos "pernoléu" da semana. 
Não sabem o que é? Vejam tudo  a q u i !

Descontos para quem anda a pé ou de bicla!


Soa bem, mas ainda não é para nós.. a companhia de transportes de Londres em conjunto com o grupo RecycleBank estão a elaborar um sistema de software que através de um smartphone consegue extrapolar em pontos o que determinada pessoa andou ou pedalou.
O objectivo é posteriormente converter esses pontos em descontos em lojas e cinemas... soa bem, não soa?

Quero!

fontes: 
http://www.menosumcarro.pt/2011/10/20/londres-quem-andar-a-pe-ou-de-bicicleta-vai-ter-descontos-em-lojas-e-cinema-em-2012/
http://www.recyclebank.com/

Ciclistas Urbanos no Porto #80

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Ciclistas Urbanos no Porto #79

Mapear a cidade

Por certo já muitos de vocês estão ao corrente do projecto do Miguel, que com base em trajectos transmitidos por ciclistas urbanos, vai construindo um mapa da cidade ciclável.
Para aprofundar e posteriormente refinar esse mapa foi constituída uma equipa de voluntários e ontem foi dia de reunião.
Ainda que todas elas (as bicicletas) conhecidas, é bom começar a ver a minha cidade um pouco mais bonita, trocando-se os automóveis estacionados em cima do passeio (aqui costumava ser uma constante), por bicicletas (à falta de estacionamento apropriado).
Fica o registo:

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Crónica do fim de semana

Passou mais um fim de semana, também este com actividades ciclísticas assim como outro tipo de movimentações.
Este sábado e no intervalo entre duas reuniões, uma de trabalho e outra completamente social, dei um salto à manifestação dos indignados:

Pensei que iria encontrar mais biclas, mas suponho que não as vi porque não é fácil andar de bicla pelo meio da multidão. 
Ou foi por esse motivo, ou então porque, apesar de indignados, toda a gente veio de carro :p ... afinal de contas, somos o país do mundo com mais automóveis per capita:
Case in point: Portugal. Slightly smaller than the state of Indiana, Portugal has more motor vehicles per capita--773 cars per 1,000 residents in 2006--than any other industrialized nation in the world, according to the Organization of Economic Co-operation and Development (OECD).

(dados retirados da Forbes)

Portugal sempre em grande pelos piores motivos!

Mas bom, o fim de semana também trouxe bons momentos, e um deles aconteceu no domingo de manhã.. estreia da Cicloficina em Aldoar.. não faltaram biclas para afinar/arranjar e devolver o sorriso de ciclista aos seus proprietários.
Podem ler o relato do evento na adega do ciclista. A cicloficina fora de porta torna-se mais abrangente.. gostei! É de repetir e replicar :)

sábado, 15 de outubro de 2011

"O lugar dos ciclistas é no passeio!"

"Ciclistas é na berma!"
"O lugar dos ciclistas é no passeio!"
Por estranho que pareça, esta última até já ouvi da boca de um policia. Será talvez o cúmulo da 'desinformação', mas para muitos automobilistas é assim que deve ser (um misto de ignorância, esquecimento e comodidade).

Se consultarmos o Código da Estrada vigente podemos concluir que a bicicleta é um veículo:
Velocípede é o veículo com duas ou mais rodas accionado pelo esforço do próprio condutor por meio de pedais ou dispositivos análogos.
Se somos um veículo, somos obrigados a circular na estrada com os restantes veículos, e mesmo a circulação na berma é proibida (embora por uma questão de bom senso eu as utilize especialmente em estradas nacionais e afins).


A única ressalva a esta regra geral aparece no artigo 78º:
Quando existam pistas especialmente destinadas a animais ou veículos de certas espécies, o transito deve fazer-se por aquelas pistas.
Ou seja, se existem ciclovias, temos de as utilizar.
Este é um dos pontos que me agradam menos nas ciclovias, como elas invariavelmente são mal feitas, e pensadas de forma a quem vai a passear, podem tornar-se uma menos-valia para o utilizador de dia a dia que tem compromissos para cumprir.

E é tudo por hoje! Bom fim de semana :)

terça-feira, 11 de outubro de 2011

A publicidade que chegou com 30/40 anos de atraso

O CEO da GM, talvez por andar a ver o Don Drapper, fez uma estranha aposta publicitária:
Isto espelha a antítese do que normalmente sinto quando ando de carro: inveja saudável de quem vai ali 'solto' a pedalar.
É por estas e por outras que é uma industria em extinção :p

Os bons exemplos..


Quem me conhece sabe que não sou grande defensor das ciclovias.
Isto acontece por vários motivos, assim de repente lembro-me da falta de qualidade do desenho, conceito errado e constantes falhas graves na segurança que costumam imperar na sua (tentativa de?) aplicação em Portugal.
O mais chocante acaba por ser o factor segurança: continua a existir a tendência para desenhar os dois sentidos de fluxo da ciclovia juntos, normalmente no passeio ou no eixo da via (basta ver a última abordagem no Porto, aqui bem descrita pelo Paulo), resultando em grandes conflitos de circulação nos pontos extremos e também numa constante falta de largura na ciclo-via (que pode provocar choques frontais entre ciclistas).
A London Cycling Campaign, uma espécie de associação londrina pró-ciclismo utilitário, fez um esquema animado sobre o que eles pensam ser uma boa solução de ciclovias privilegiando não só a segurança mas também a fluidez do transito (a motor ou não).

Ora vejam a animação neste link: liiiiiiiiiiiiiiiink!

A principio mete alguma confusão (porque eles têm a mania de conduzir ao contrário), mas após ver a animação, há alguns pontos importantes a reter:

. As ciclovias são sempre razoavelmente largas, de um só sentido e coladas à faixa de transito automóvel correspondente a esse mesmo sentido;
. Os ciclistas que vão virar para a direita (no nosso caso seria esquerda) têm semáforos dedicados para sua própria segurança;
. Os peões também são contemplados neste estudo e têm percursos curtos e rápidos como deve sempre acontecer;
Se as ciclovias forem bem pensadas (não digo que este seja o melhor modelo, mas está a anos luz do que por cá se faz), podem até ser uma coisa boa... resta agora pegarmos neste e noutros estudos e fazer a mensagem chegar a quem decide.
Infelizmente, uma boa intenção não chega.. é preciso concretizar bem!

Cheers! ;)

Novidades do fim de semana..

Mais um fim de semana com sabor a verão em pleno Outubro.. para quem gosta de pedalar com bom tempo e calor não há melhor.
Eu sou um adepto ferranho das "meias estações", o Outono e a Primavera deixam-me a mim e à minha bicicleta felizes: a ver se não passamos directamente do verão ao inverno sem passar na 'casa partida' e receber dois mil escudos 8-)
Este fim de semana houve actividades ciclísticas na cidade, o Oporto Cycle Chic fez mais um passeio e aparentemente foi mais um retumbante sucesso (em que até se esgotaram as bicicletas para aluguer).
Aqui este vosso humilde escriba não compareceu, pois, além de ser mais chiq do que chic, esteve a ajudar um amigo a converter uma bicicleta cheia de classe (bike tour de há dois anos - daquelas que desaparecem sem rasto no fundo da garagem) em bicla eléctrica.
Foi uma espécie de cicloficina entre amigos a aproveitar o bom tempo e a sombra das traseiras de minha casa:


Servem também estas fotografias (tiradas pelo ciclo-guru Hugo) como aperitivo para a Cicloficina móvel do próximo domingo. É às 10 da matina, em Aldoar, na urbanização que mais nos faz pensar estarmos na Holanda.

nota: é de referir que se o mecânico estiver com uma T-shirt de Mogwai vestida, as reparações correm sempre melhor. ;)


domingo, 9 de outubro de 2011

BFF - Uma compilação

Agora que já passou o BFF, e porque é domingo e se está bem no sofá, deixo-vos uma pequena compilação:

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Política: o que se diz lá fora, e cá dentro.

Cá dentro:



Fico feliz por ouvir alguns partidos portugueses a falar na questão da mobilidade leve, mas tenho medo que estas, que são meras declarações de intenção, nunca passem disso e fiquem condenadas a poucos resultados práticos. E mais uma vez a discussão parece demasiado centrada na construção de ciclovias: já sabemos como isso costuma acabar (aqui e aqui).

A minha humilde sugestão: porque não sentarem-se todos à mesa e começar por redigir um novo código da estrada que promova estas mesmas intenções, hum?

nota: assumir que uma resolução europeia é "lá fora" foi intencional já que, no que diz respeito à mobilidade nas cidades, Portugal e os seus sucessivos governos raramente acatam as directivas europeias.



"As bicicletas nunca têm prioridade!"

"Sai da estrada, ó palhaço!"
"Bicicletas é no passeio!"
Quem anda de bicla no dia a dia, mais cedo ou mais tarde acaba por ouvir este tipo de bocas, umas vezes de provocadores, outras (e aqui é que se torna preocupante) de pessoas bem intencionadas mas mal informadas.

Também não é de todo infrequente encontrar na estrada pessoas que, achando que sabem o código da estrada, tentam a todo o custo que os outros percebam (nem que seja à força) o quão errados estão. Eu chamo-lhes os condutores moralistas..

O que me leva a falar sobre este assunto é que, o "condutor tipo português" é uma pessoa bastante esquecida. Estuda o código da estrada para fazer o exame, e, tirando algumas regras básicas do dia a dia, logo esquece quase tudo.

Proponho-me a começar a rebater algumas das ideias erradas que mais frequentemente se encontram na cabeça dos desinformados condutores moralistas:
"As bicicletas nunca têm prioridade!"
- Errado. Os velocípedes apenas perdem a prioridade nos casos de cruzamentos sem sinalização específica.
Em todos os outros casos onde exista sinalização (STOP, semáforos, etc etc) os veículos motorizados têm de ceder passagem ao ciclista caso seja esse o caso.
Também nas rotundas, e caso o ciclista vá a circular na rotunda, o velocípede tem prioridade sobre o veículo automóvel que pretenda entrar na mesma.

Dito isto resta acrescentar que mesmo nas situações em que o veículo automóvel tenha prioridade, ele deve respeitar o artigo 29º:
Artigo 29 «o condutor com prioridade de passagem deve observar as cautelas necessárias à
segurança do trânsito (infracção dá multa entre € 120 e € 600)
Traduzindo: atropelar ciclistas continua a ser ilegal apesar de termos o direito de passagem.

Enquanto não temos uma revisão do código da estrada digna de país do primeiro mundo, vamos tentar não distorcer ainda mais as regras que nos vão colocando no fundo da 'cadeia da mobilidade' para gerarmos mais harmonia nas estradas portuguesas :)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Do Porto para Londres... uma experiência com as Boris Bikes

No outro dia deram-me a conhecer (obg pela dica, Ana) um post de um blogger português que, após ter cumprido um objectivo pessoal, decidiu recompensar-se com uma assinatura anual das Boris Bikes.
Não contente com tão bela opção, o Nuno ainda nos brindou com uma filmagem da sua experiência com as Boris bikes:

tirado daqui.
Estamos no bom caminho para atingir o equilíbrio da balança de importações/exportações dos ciclistas urbanos :)

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Ciclistas Urbanos no Porto #75

Silo-Auto, Porto

Não é no Porto, mas bem poderia ser. Não descanso enquanto não o for! :p
Foto tirada pela minha agente infiltrada em Amsterdão.

nota: não é só aquela adega nojenta a cheirar a vinho carrascão que tem emissários. ;)
nota2: a tosca não tem pulgas! :D