sábado, 16 de dezembro de 2017

Na oficina... cantilevers Suntour



Curiosidade do dia: uns travões cantilever traseiros Suntour "self energising system".

Com um eixo concêntrico de rosca helicoidal, estes canti prometiam mais potência de travagem pois ao fazerem contacto com o aro, o movimento fazia o calço "fechar" um pouco mais.

Apesar do design Petersen compreender versão frontal e traseira, a Suntour que aparentemente acreditava/acredita na sua real potência, nunca comercializou versão frontal - algum medo a piruetas no ar acidentais :)


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Dia de clássica

Porque está a chover, porque tem para lamas, ou porque uma velhinha francesa tem um certo "je ne sais quoi"..

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Tirar a ferrugem às pernas


Ora então algum dia teria de acontecer... voltar aos "treininhos". A vida com um bebé não deixa muito tempo, e portanto as pedaladas têm sido mais curtas, mas este domingo, ainda que decidido à última hora, lá consegui a companhia do João para ir dar um giro.
Dada a falta de forma física da minha parte, a opção pelo percurso tipicamente dominical da marginal de rio e mar foi mais ou menos consensual (até porque o João além de muito paciente para aturar o meu ritmo de passeio, estava também a habituar-se aos pedais novos).

8 horas na Marina, o dia avizinhava-se soalheiro mas.... .... . ... . .. . . .frrrrrrrio.



Siga para sul, não sem bater uma chapa na Ponte do Freixo que com esta luz estava mágica.





Percurso calmo mas sempre bonito, o ritmo lento convidou a por a conversa em dia... sem dar conta já tinhamos passado Espinho e em plena "caxinas de baixo". Estavam no mar umas embarcações clássicas, foi interessante ver como se fazem a terra.



Dar a volta e procurar um cafézito ao sol, não foi fácil e acabamos por optar pelo Esquimó, que ao contrário do que o nome sugeria, estava bem quentinho :)


No regresso, dada a concentração de motas e motards achei que ia encontrar o Nando, mas parece que não foi desta... ;)



sábado, 2 de dezembro de 2017

Na oficina #5


Numa loja onde privilegiamos bicicletas em aço, acabamos por ouvir vezes demais "o alumínio não é melhor por não enferrujar?".
Para além de pouco mais leve (até mais pesado que determinadas ligas de aço mais evoluídas) e de proporcionar normalmente muito menos conforto e elegância, o alumínio também sofre de corrosão.
Não enferruja mas fica corroído e o resultado é bastante feio como acho que fica bem ilustrado na fotografia ali em cima...

Por hoje é tudo - já que estamos no tempo invernil, mantenham a vossa bicicleta sempre limpa e bem lubrificada., mas continuem sempre a pedalar!

domingo, 29 de outubro de 2017

Ponto de situação

Pois é, o blog tem andado muito parado, não que não tenha coisas para escrever, mas este bebé tira bastante do tempo livre para escrever:

A post shared by Sérgio Moura (@sergmoura) on


Já tem formas de se desculpar, o sorriso bem como aquela camisola amarela fazem esquecer tudo o resto! ;)

Até breve!

segunda-feira, 25 de setembro de 2017



Com muito atraso por motivos desconhecidos (bebé João), aqui vai mais um relato das voltinhas / treininhos / coiso.



Fresquinho da manhã, os suspeitos do costume (Adolfo, João e Texeira), lá nos encontramos um pouco mais à frente, pois aqui o papá recente tinha pouco tempo para pedalar, e ânsia de ir longe (isto tem lógica?).


O Adolfo, esse ciclista audacioso, elaborou um trajecto fácil e rápido que consistia em boa parte do médio fondo do Porto Granfondo do ano passado. Nas palavras dele: "4 horas mais lanches e fotos e mijas e ventil"
A parte do ventil dispenso, mas ele não.



Então peguei na magnífica Pelago, com os seus pneus de bailarina, e toca a fazer kilometros. E não é que ela até se porta bem? Não sendo uma estradeira pura, o objectivo nunca foi ter peso pluma, mas apesar da minha capacidade e forma risíveis lá consegui arrastar-me por ali acima sem perder "demasiado" o rasto dos meus comparsas.



E onde foi o por ali acima? Para quem participou no Granfondo, basicamente foi similar, pedalar até Entre-os-rios, depois subir para Castelo de Paiva, tomar um café e rumar margem sul abaixo passando nas minas e em Canedo.



Canedo estava em festa e deu para comer uns figos. Figos dão força!



Até à próxima!

sábado, 9 de setembro de 2017

Na oficina #4



Ahhhh... O "glamour" das bicicletas Team.

Por muito que goste de vir aqui mostrar coisas bonitas e/ou extraordinárias, a verdade é que nem sempre isso é representativo do nosso panorama actual.
É certo que a realidade do nosso "parque ciclístico" nacional tem vindo a mudar - a bicicleta é mais usada de forma utilitária, e os ciclistas começam a perceber a diferença entre os diferentes tipos de bicicleta, e também a sua qualidade - mas as bicicletas de supermercado continuam ainda a ser muitas e servem, muitas vezes, como primeiro contacto com o ciclismo dito urbano ou utilitário.

Sem querer parecer snob (que não sou, gosto de tudo o que tenha duas rodas e dois pedais), a verdade é que estas bicicletas fazem mais mal ao ciclismo, do que bem.
Costumam ser entregues mal montadas, vem tudo solto apresentando problemas graves de segurança. Os componentes são mesmo muito maus, e raramente funcionam a 100% mesmo quando novos. O peso também não é um factor interessante, o que associado a pneus para andar no mato, tornam a locomoção nestas bicicletas um processo bastante desagradável.

Depois entra o factor económico, realmente custa pouco comprar uma bicicleta nova destas, mas, se a utilização for frequente, rapidamente se torna uma bicicleta cara. 

Neste caso aqui em cima, os cones da roda traseira andavam soltos, o que associado a um desviador mal afinado resultaram na "explosão" do dito desviador.

O inglório nisto tudo é que depois de resolver este problema, a bicicleta continua apenas a apresentar um comportamento sofrível. Enfim...